Estudo aponta os 2 sintomas de maior risco por covid-19

Da redação, em25/05/2021
Anna Shvets no Pexels

Anna Shvets no Pexels

A baixa saturação de oxigênio no sangue e a frequência respiratória acima do normal, dois sintomas da Covid-19 que podem ser controlados em casa, estão associados a uma maior mortalidade da doença viral.

Segundo a revista isto É, a conclusão é de um estudo que contou com a participação de 1.095 pacientes internados com coronavírus e que descobriu que esses dois sintomas ​​predizem claramente um aumento do risco de mortalidade. Os resultados foram publicados na revista “Influenza and Other Respiratory Virus”.

A responsável relata que “se os pacientes seguirem as diretrizes atuais, podem não sentir falta de ar até o oxigênio no sangue estar muito baixo, o que significa que estamos perdendo a oportunidade de intervir precocemente com um tratamento que salva vidas”.

Os pesquisadores analisaram os casos de 1.095 pacientes maiores de 18 anos, que foram admitidos com Covid-19 nos hospitais da UW Medicine em Seattle ou no Rush University Medical Center em Chicago, ambos nos Estados Unidos, no período compreendido entre 1 de março e 8 de junho de 2020.

Embora esses pacientes apresentassem frequentemente hipoxemia (baixa saturação de oxigênio) ou taquipneia (respiração rápida e superficial), poucos disseram sentir falta de ar ou tosse, aponta a pesquisa.

A principal medida do estudo foi a mortalidade hospitalar por todas as causas: ao todo, 197 pacientes morreram no hospital. Em comparação com aqueles admitidos com níveis normais de oxigênio no sangue, os pacientes hipoxêmicos tiveram um risco de mortalidade 1,8 a 4,0 vezes maior.

Da mesma forma, em comparação com pessoas hospitalizadas com uma frequência respiratória normal, aqueles com taquipneia tiveram um risco de mortalidade aumentado de 1,9 a 3,2 vezes. Em contraste, outros sinais clínicos na admissão, como temperatura, frequência cardíaca e pressão arterial, não foram associados à mortalidade.

Quase todos os pacientes com hipoxemia e taquipneia necessitaram de oxigênio suplementar, que, quando combinado com glicocorticóides redutores da inflamação, pode tratar efetivamente os casos agudos de Covid-19.

A especialista acrescentou ainda que “em média, os nossos pacientes hipoxêmicos tinham uma saturação de oxigénio de 91% quando entraram no hospital, ou seja, um grande número deles já estava bem abaixo do limite para podermos salvar as suas vidas”.

Os especialistas recomendam ainda que aqueles com teste positivo para Covid-19, em particular pessoas de grupos de risco, obtenham um oxímetro de pulso para verificar em casa se o oxigênio no sangue cai abaixo de 92%. “Uma medida ainda mais simples é medir quantas respirações faz por minuto. Se chegar às 23, deve entrar em contato com o seu médico”, orienta.

Compartilhar:
Facebook Tweet

Veja Mais