Polícia investiga agressão a menino de 5 anos em Três Lagoas

Fonte: Da redação, em19/04/2012

Mãe agride filho de cinco anos com um murro no rosto. Foto: Reprodução /Rádio Caçula

LEITOR ANDRAVIRTUAL TEM DESCONTO ESPECIAL: O milagre da manhã com super desconto!

A Polícia Civil vai investigar o caso de um menino de cinco anos que teria sido agredido com um soco pela mãe, em Três Lagoas. O Conselho Tutelar da cidade soube do caso por meio de denúncia anônima feita na quarta-feira (18). As informações são do portal G1.



Membros do conselho foram até a casa da criança e a encontraram com marcas no rosto. O menino relatou aos conselheiros que foi agredido pela mãe, gestante, na última sexta-feira (13), quando mexia em frascos de perfumes dela.

 

A equipe do Conselho Tutelar ainda não ouviu a mãe, porque ela foi levada na manhã de ontem para o hospital da cidade pelo Serviço de Atendimento Móvel de Emergência (Samu) para fazer o parto. Ainda segundo o Conselho, ela já teve o bebê e quando tiver alta médica deverá ser chamada para prestar esclarecimentos sobre a agressão.

 

O menino foi levado pelo Conselho Tutelar até a delegacia da Polícia Civil de Três Lagoas, onde foi feito um boletim de ocorrência por agressão e lesão corporal. Durante a tarde, ele foi conduzido também ao Instituto Médico Legal (IML), para fazer exame de corpo de delito.

 

O garoto está agora sob os cuidados de uma tia, que foi até o Conselho Tutelar e se responsabilizou pelos cuidados da criança. O pai do menino mora em Araçatuba (SP) já foi contatado para saber se ele tem condições de ficar com a guarda.

 

Segunda vez


Segundo o Conselho Tutelar, em 2010, quando o menino tinha três anos de idade, ele também teria sido vítima de agressões físicas. Na época, o conselho foi acionado pata investigar uma suposta agressão do menino pelo padrasto e pela mãe que também estava grávida naquela época e prestes a dar à luz.


A mãe não teve nenhuma punição por causa da gravidez e o padrasto, ainda segundo o conselho, foi acusado pela agressão e condenado a pagar serviços comunitários.

Compartilhar:

Veja Mais