Tamiko debate melhorias para cidades sedes de usina hidrelétrica

Fonte: Da redação com Assessoria de Imprensa, em14/03/2019

Tamiko esteve ao lado do presidente da AMUSU, Lucimar Salmória, em reuniões com as lideranças do Congresso Nacional e representantes do Governo Federal. Foto: Secom/Andradina

LEITOR ANDRAVIRTUAL TEM DESCONTO ESPECIAL: O milagre da manhã com super desconto!

A prefeita Tamiko Inoue está participando do primeiro encontro deste ano organizado pela Associação Nacional dos Municípios Sedes de Usinas Hidroelétricas e Alagados (AMUSUH), nesta semana em Brasília.

Tamiko está cooperando em audiências e reuniões com as lideranças do Congresso Nacional e representantes do Governo Federal para alinhar as demandas municipalistas visando o aprimoramento de políticas públicas e avanços nas matérias que tramitam nas duas Casas legislativas.

A prefeita explica que desde quando Andradina se tornou sede da Usina Hidrelétrica de Três Irmãos, vem lutando por direitos legais, correções e repasses justos. “A intenção é fortalecer o município diante do cenário nacional, já que a associação representa 729 municípios de 21 estados da Federação e mais de 42 milhões de brasileiros”, comentou Tamiko.

Neste quarta-feira, o encontro foi com a secretária-executiva do Ministério do Meio Ambiente,
Ana Pellini. “Foram debatidas estratégias para um crescimento sustentável”, explicou Tamiko sobre o encontro.

Participaram também os secretários municipais de Fazenda, Planejamento e Gestão, Fernando Henrique Ramos e de Saúde, Marcelo Gimenez.

Para o presidente da AMUSUH e prefeito de Abdon Batista (SC), Lucimar Salmória, essas aproximações institucionais são imprescindíveis para garantir avanços. “Vamos buscar um diálogo estreito com o governo e parlamentares, sobretudo junto aos novos que chegaram agora e que ainda não conhecem bem a realidade dos municípios sedes de usinas e alagados”, afirmou Salmória.

A AMUSUH tem consolidado sua atuação na defesa dos municípios que são responsáveis direta ou indiretamente por mais de 60% da energia elétrica gerada no Brasil. Contrapartidas mais robustas e novas políticas desenvolvimentistas são almejadas para esses municípios.

Para isso, o Congresso precisa elaborar projetos de leis e viabilizar propostas em andamento para benefícios dos municípios. Além disso, o governo Federal tem diversos instrumentos que podem ser mobilizados para revitalizar os lagos das usinas, melhorar os dividendos da geração e ampliar as rendas para além da energia elétrica. Mais de 41 mil quilômetros quadrados de reservatórios podem revolucionar a produção de pescados em tanques-rede nas águas públicas e também o turismo.

* Com informações da Assessoria AMUSUH



Compartilhar:

Veja Mais