Jamil Ono levanta bandeira para Campus da USP na região oeste do Estado

Fonte: Divulgação, em20/04/2017

Jamil apresenta projeto de Campus da USP ao presidente da APM, Carlos Cruz. Divulgação

Em mais um projeto visionário o ex-prefeito de Andradina e atual assessor de assuntos de estratégicos da Prefeitura, Jamil Ono, iniciou a luta para que a região oeste do Estado de São Paulo receba Campus da USP (Universidade de São Paulo).

Jamil, que tem em sua história política a atuação pelas batalhas municipalistas, ocupa o cargo de conselheiro dentro da APM (Associação Paulista de Municípios). E foi dentro da entidade que ele ganhou o primeiro e grande apoio.

O presidente da APM, Carlos Cruz, demonstrou total interesse e prometeu encampar a batalha por entender que é justa para o desenvolvimento e formação universitária nesta região do Estado.

“É muito satisfatório quando recebemos missões como esta do nosso conselheiro Jamil Ono e assim podermos trabalhar em sonhos possíveis que buscam o interesse de toda uma região”, comentou Cruz. “A formação universitária representa um investimento em pessoas e traz frutos para que gerações futuras tenham maiores oportunidades”, completou.

O presidente da APM gostou tanto da ideia que abriu espaço para Jamil defender a tese e colocar o assunto em votação dentro do 61º Congresso Estadual de Municípios que acontece de 24 a 28 de abril em Campos do Jordão. Caso a proposta seja aprovada no congresso, a abertura do Campus da USP fará parte da carta da APM que será entregue oficialmente ao governador do Estado, secretário da Educação de São Paulo e à reitoria da universidade.

Entre as considerações para levantar esta bandeira, Jamil fez um mapeamento e constatou que em toda a região Oeste do Estado e até no extremo noroeste não existe nenhum campus da Universidade de São Paulo.

Conforme o levantamento, a unidade mais próxima fica na cidade de Bauru. Sendo assim corredores importantes da região oeste e noroeste do Estado não possuem unidades da USP como o de Araraquara passando por São José do Rio Preto até Santa Fé do Sul e Ilha Solteira; o de Lins à Andradina e Castilho; de Marília à Panorama e, o partindo de Ourinhos até Presidente Epitácio e Teodoro Sampaio.

“As características da nossa economia regional indicam que a instalação de um campus da USP viria colaborar para o desenvolvimento, pois com o estudo universitário vem à elaboração de projetos que possibilitam alavancar as necessidades com maior aproveitamento do território para um avanço regional”, ressaltou Jamil.

Entre as especificidades regionais elencadas para justificar a abertura de Campus da USP nestas regiões do Estado, Jamil ressalta também que os municípios precisam buscar alternativas por serem os mais impactados com a guerra fiscal nas divisas com os estados do Mato Grosso do Sul e Paraná, mas que tem características ímpares de crescimento por possuírem uma longa área de agricultura familiar, três usinas hidrelétricas, rodovias, hidrovias e ferrovias, além ainda ter em seu traçado o gasoduto Brasil-Bolívia e de ficar próxima ao maior centro de celulose do País.

“O investimento em educação pode representar um desenvolvimento sustentável para estas regiões oeste e noroeste, que no mapa do Estado, estão entre as que mais precisam de políticas de crescimento”, finalizou Jamil Ono.

Compartilhar:

Veja Mais